|| Blog do Julio ||

Somos Contraditorios

Posted in Filosofia, Whatever... by Julio Dias on 08/11/2009

Diante de minha total falta de vontade  em fazer o bendito Exame Nacional de Desempenho de Estudantes, vulgo ENADE, e perceber que não somente eu, mas muitos desfrutavam desse mesmo desanimo, pude ver como somos contraditórios! É engraçado se perceber tão idiota assim.

Um fator que influencia muito na tão dificil escolha de qual Instituição de Ensino Superior cursar é a tal “Nota do MEC”. Muitos optam por se matricular no Curso melhor classificado no campeonatinho do Ministério de Educação, porque sua formação – em tese –  será melhor do que seria numa Instituição com o conceito inferior. O ENADE, como o próprio nome já diz,  não é  nada mais do que um dos instrumentos para se medir o desempenho dos alunos e, consequentemente, conceituar o Curso dos mesmos.

Má vontade para fazer esse Exame parece meio contraditório, isto é, procuramos estudar nos lugares bem conceituados, no entanto, não estamos nem um pouco interessados em “ajudar” a construir essse conceito. Engraçado, não?

Anúncios

Diploma de Jornalismo II

Posted in Comunicação by Julio Dias on 22/06/2009

Volto novamente tratar desse assunto tão discutido: a obrigatoriedade do Diploma de Jornalismo para exercer a profissão. Bom, postei aqui minha indignação sobre a decisão do STF uns dias atrás, porém ainda há muita coisa a ser dita. Meu ‘post’ anterior foi escrito num momento de desanimo, pois estava sofrendo um pouco o abatimento provocado pelas notícias recentes (não só sentido por mim, mas por muitos companheiros de sala).

Obviamente, não poderia deixar de me informar sobre o “outro lado da moeda”, procurei apurar os motivos de muita gente respeitavel no Jornalismo estar favorável ao banimento do Diploma. Li dezenas de artigos e comentarios em foruns e afins, com a finalidade de entender direito o que está acontecendo.  Após ler as diversas opiniões – muitas vezes apaixonadas – chego a obvia conclusão, que existe muitos prós e contras na tal obrigatoriedade do diploma. Preciso ler mais para ser mais coerente possível, e,  mesmo indignado ( um pouco menos do que no outro ‘post’, devo admitir),  não posso deixar de ‘linkar‘ esse esse texto a favor da queda do diploma.

“Dez argumentos pelo fim da obrigatoriedade” – Maxwell dos Santos (Observatório de Imprensa)

Essa é uma discussão antiga e provoca muitas reações, digamos, apaixonadas. Preciso ler mais para formar uma opinião menos “estudante -de-comunicação-meia-tigela” sobre as mudanças que estão ocorrendo, afinal isso é o mais sensato, pois tem muita gente fazendo barulho sem realmente entender o que está, de fato, ocorrendo. Ainda acho que essa medida enfraquece a Classe, porque acredito que a formação superior também tem importância na base de qualquer profissional, tenha este vocação ou não, seja este bom ou não; É sabido que o ensino superior vai de mal a pior… mas issa é outra discussão.

Diploma de Jornalismo

Posted in Comunicação by Julio Dias on 19/06/2009

Sou estudante de Jornalismo e não acredito que ter um diploma, necessariamente, signifique ser um bom profissional, afinal de contas isso depente somente engajamento e dedicação do Jornalista à profissão. Penso que a medida do STF, que derruba a obrigatoriedade do diploma no exercício da profissão, tenta nivelar por baixo o Jornalismo. Pretendo escrever mais sobre esse assunto, por ora deixo aqui registrado minha indignação, pois acredito que medidas como essa só diminuem e enfraquecem a classe Jornalística.

A Televisão me deixou Burro

Posted in Comunicação, Filosofia, Televisão by Julio Dias on 15/06/2009

“A televisão me deixou burro muito burro demais, agora todas as coisas que penso me parecem iguais (…)

Ô Cridê fala pra mãe, que tudo que a antena captar meu coração captura (…)”

Titãs – Televisão

 

Esta cada vez mais difícil assistir televisão, sem ao menos, me sentir meio subestimado. As senhoras Emissoras, na maior parte do tempo, nos presenteiam com uma programação extremamente medíocre, que ocupa espaço em suas grades e atrai anunciantes de produtos e serviços, porém não instiga ninguém a fazer algo que é realmente importante: Pensar!

Obviamente, existem alguns poucos programas com a intenção – em tese – de passar algum conteúdo para seu telespectador, no entanto, estes sobrevivem em horários que poucos podem assistir. Normalmente essa “programação  pensante” está espalhada por aí e acolá nas madrugadas, disputando espaço com Pastores Evangélicos, enquanto a classe trabalhadora – que de fato precisa ter um pensamento mais crítico – não tem conhecimento de sua existência.

Como um bom exemplo disso, posso citar a emissora tida como “Vênus Platinada”, que até possui alguns bons programas, mas estes são exibidos muito tarde! Além dos programas produzidos para os canais de TV a cabo da mesma empresa, que nem se comparam aos que são exibidos na TV aberta. E não me diga que aquele tradicional telejornal das 20:00 horas, faz com que as pessoas desenvolvam uma opinião crítica sobre alguma coisa.

Esse tipo de reflexão me leva a pensar no real papel da Televisão. Para o que  serve a TV, afinal?! Para entreter? Para ensinar? Para vender? Deixo aqui essa questão para quem quiser comentar.